Google+ Followers

sexta-feira, 8 de maio de 2015

HOSPITAL DA POLÍCIA MILITAR DO RIO: TCE DESCOBRE ROMBO DE QUASE R$ 8 MILHÕES EM LICITAÇÃO


O Tribunal de Contas do Rio descobriu um rombo de quase R$ 8 milhões na Polícia Militar do estado. Os auditores identificaram contratos superfaturados. O caso está sendo investigado agora por promotores do grupo de combate ao crime organizado.

Auditores analisaram sete contratos que somam quase R$ 14 milhões e descobriram que praticamente a metade foi desviada: R$ 7,9 milhões.

Os conselheiros do Tribunal de Contas do Estado aprovaram o resultado da fiscalização. “Tem irregularidade de todo o tipo: falsificação de documentos, fraudes flagrantes da lei de licitações, com inversão da ordem cronológica para adesão a ata de registro dos preços. Enfim tem, como diria, irregularidades para todo que é gosto”, afirmou o presidente do TCE, Jonas Lopes.

Em um dos contratos, a auditoria identificou a compra de mais de 71 mil litros de ácido peracético, usado na esterilização de materiais. Foram pagos R$ 4,2 milhões, mas entregues apenas 100 litros. Técnicos do TCE disseram que a quantidade comprada poderia ser usada por 230 anos nos hospitais da PM.

O Grupo de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público já está investigando a fraude. O Comando da Polícia Militar abriu um procedimento interno para apurar o que aconteceu e concluiu: houve crime contra a administração militar na gestão anterior.

Foram indiciados integrantes da Comissão Gestora do Fundo de Saúde, da antiga diretoria, oficiais e um suboficial do Hospital da PM em Niterói, Região Metropolitana do Rio. O Tribunal de Contas do Estado quer que o dinheiro desviado seja devolvido aos cofres públicos.

O presidente do TCE disse que a auditoria será estendida a todos os contratos dos últimos cinco anos e afirmou que pediu segurança para auditores que estão se sentindo ameaçados. “Eu nunca vi nestes 15 anos algo tão estarrecedor. Uma verdadeira quadrilha”, lamentou Jonas Lopes.

Veja abaixo o nome dos 19 policiais militares citados na auditoria:


Coronel Décio Almeida da Silva, ex-subdiretor-administrativo da Diretoria-Geral de Saúde

Coronel Kleber dos Santos Martins, ex-diretor-geral de Administração e Finanças

Coronel Carlos Mendes Gomes de Oliveira, ex-diretor de Logística

Major Andrea Carneiro Ramos, ex-chefe da Central de Material Médico-Hospitalar.

Major Sergio Ferreira de Oliveira, ex-chefe do Fundo de Saúde da PM

Major Helson Sebastião Barboza dos Prazeres, ex-chefe do Fundo de Saúde da PM e ex-fiscal administrativo do Hospital Central da PM

Coronel Médico Armando Porto Carreiro, ex-diretor do Hospital Central da PM

Tenente- Coronel Alexandre Felix Barbosa, ex-subdiretor do Hospital Central da PM

Major Maycon Macedo de Carvalho, ex-fiscal administrativo do Hospital Central da PM

Major Thiago Cícero Teixeira Bezerra, fiscal do Hospital Central da PM desde agosto do ano passado

1º Tenente João Jorge de Souza, ex-responsável pelo almoxarifado do Hospital Central da PM

Major Médico João Alexandre de Rezende Assad, chefe do Setor de Hemodinâmica do Hospital Central da PM desde outubro de 2013

Coronel Médico Sergio Sardinha, ex-diretor do Hospital da PM em Niterói

Tenente- Coronel Marcelo de Almeida Carneiro, ex-subdiretor do Hospital da PM em Niterói

Capitão Fabiano Duarte Lopes, ex-fiscal administrativo do Hospital da PM em Niterói

2º Tenente Edson da Silva

1º Tenente Marcio da Silva Ribeiro

2º Tenente Carlos Henrique de Araújo

1º Tenente Marcia Rezende Dourado Azevedo


Pesquisar este blog